A aprendizagem é um processo que ocorre durante toda a vida, portanto é objeto de estudo e pesquisa em diferentes áreas das ciências humanas. Esse processo envolve diferentes variáveis ou aspectos. O que fica mais saliente são as questões relacionadas às habilidades cognitivas, mas as condições sociais, biológicas e emocionais são tão relevantes quanto a primeira. Assim, suas vicissitudes ou desafio devem ser olhados através de um espectro multifatorial, e é primordial considerar as condições e especificidades de cada indivíduo.

Quando algo sai da linha do esperado para uma faixa etária e as dificuldades de aprendizagem surgem, podemos nos encontrar diante de duas situações: Transtornos de Aprendizagem ou Dificuldades de Aprendizagem.  Então, como diferenciá-los?

Transtorno de Aprendizagem refere-se às condições neurológicas que afetam a aprendizagem e o processamento das informações de cada pessoa. E isto pode se evidenciar desde a infância ou no decorrer da vida de um sujeito. Por exemplo, as questões da memória que podem alterar ao longo da vida, ou mesmo após um acidente neurológico, podem trazer alterações importantes, que estão presentes nos transtornos da aprendizagem. Já na infância, podemos ter as alterações no neurodesenvolvimento.

Tratando-se de Dificuldades de Aprendizagem, é alguém que, mesmo tendo um bom nível intelectual, necessita de maior esforço para desempenhar funções ou habilidades específicas na aprendizagem. Essas necessidades podem não estar sendo atendidas, seja na forma do ensino, nos aspectos emocionais relacionados ao aprender ou até mesmo a outras questões que possam interferir na concentração, na segurança e consequentemente no seu aprender. Em algumas situações, pequenas mudanças podem gerar bons frutos. Tentar novas formas de explicação e demonstração, que atendam às necessidades e potencialidades do aluno, pode resultar em saltos de aprendizagem. As dificuldades de aprendizagem, se bem encaminhadas e atendidas, podem se resolver positivamente durante a caminhada acadêmica, e o primeiro passo é identificar as causas.

Tanto os transtornos como as dificuldades de aprendizagem acarretam dificuldades emocionais e comportamentais, como baixa autoestima, sensação de incompetência, ansiedade diante das tarefas, irritabilidade, entre outras, podendo comprometer sobremaneira o rendimento, formando um ciclo de sofrimento para o indivíduo. Assim, na maioria das vezes, a busca de caminhos para auxiliá-lo e obter suporte e ajuda traz também melhor qualidade de vida e saúde emocional.

 

 Psicóloga Julia Fensterseifer Isse – CRP 07/22654

 Psicopedagoga Ana Beatriz Marques – Lp: 687 PP: 1648